Conceito de Utilização

O aproveitamento ou uso da água é o processo pelo qual a água, tratada ou não, é reutilizada para o mesmo ou outro fim. Essa utilização pode ser direta ou indireta, decorrente de ações planejadas ou não, como:

1. Uso indireto não planejado da água: ocorre quando os efluentes depois de tratados, são descarregados de forma planejada nos corpos de águas superficiais ou subterrâneas, a jusante, no atendimento de algum uso benéfico.

2. Uso indireto planejado da água: pressupõe que exista também um controle sobre as eventuais novas descargas de efluentes no caminho, garantindo assim que o efluente tratado esteja sujeito apenas a misturas com outros efluentes que também atendam ao requisito de qualidade do reuso objetivado.

3. Uso direto planejado das águas: ocorre quando os efluentes, após tratados, são encaminhados diretamente de seu ponto de descarga até o local do reuso, não sendo descarregados no meio ambiente. É o caso com maior ocorrência, destinando-se a uso em indústria ou irrigação.

4. Reciclagem de água:

  • Irrigação paisagística: parques, cemitérios, campos de golfe, faixas de domínio de auto-estradas, campus universitários, cinturões verdes, gramados residenciais.
  • Irrigação de campos para cultivos: plantio de forrageiras, plantas fibrosas e de grãos, plantas alimentícias, viveiros de plantas ornamentais.
  • Usos industriais: refrigeração, alimentação de caldeiras, água de processamento.
  • Recarga de aquíferos: recarga de aquíferos potáveis, controle de intrusão marinha, controle de recalques de subsolo.
  • Usos urbanos não-potáveis: irrigação paisagística, combate ao fogo, descarga de vasos sanitários, sistemas de ar condicionado, lavagem de veículos, lavagem de ruas e pontos de ônibus, etc.
  • Finalidades ambientais: aumento de vazão em cursos de água, aplicação em pântanos, terras alagadas, indústrias de pesca.
  • Usos diversos: aquicultura, construções, controle de poeira, dessedentação de animais.

Porque utilizar?

Apenas 3% da água existente no planeta é potável. Desse percentual, somente 0,7% está acessível. A maior parte da água utilizada vai para a agroindústria, aproximadamente 70%20% vão para as industrias 10% para as casas.

Desta forma a água da chuva deve ser considerada uma alternativa.

As águas de chuva são encaradas pela legislação brasileira hoje como esgoto, pois ela usualmente vai dos telhados, e dos pisos para as bocas de lobo onde, como “solvente universal”, vai carregando todo tipo de impurezas, dissolvidas, suspensas, ou simplesmente arrastadas mecanicamente.

Há casos em que a água de chuva pode ser separada das redes de esgoto, valendo para ISO14000 em empresas e companhias de água e esgoto que se adéquam para essa segregação.

Pesquisas realizadas mostram que após o início da chuva, as primeiras águas carregam impurezas e ácidos, como SO2, nitrogênio, microrganismos, e outros poluentes atmosféricos. Esta utilização é especialmente indicada para o ambiente rural, chácaras, condomínios e indústrias.

utilizar água da chuva

Aproveitamento da água de chuva em condomínios

Em condomínios, a água de chuva armazenada significa uma expressiva economia no gasto de água nas áreas comuns. Ela pode ser utilizada para lavagem das calçadas, do playground, de carros, na irrigação dos canteiros e jardins, na reserva para casos de incêndio e até mesmo em banheiros das áreas comuns e lavanderia.

Como construir uma cisterna para armazenar a água da chuva e locais de utilização.

A cisterna capta a água da chuva por meio do telhado e de calhas. Esta água fica armazenada ao abrigo da luz e do calor e é bombeada para uma caixa d’água paralela à rede hidráulica normal, que pode abastecer o banheiro, a lavanderia, etc.

A água de chuva é captada pelo telhado, conduzida pelo sistema através da calha para filtragem e armazenada em cisternas ou caixas d’água. Cada sistema é dimensionado de acordo com a área de captação e os índices de chuva da região onde será instalado:

  • Residências em construção: pode ser feito um sistema paralelo á água da rua e incluir o uso em descarga de banheiros, lavagem da roupa e torneiras externas.
  • Residências já construídas: onde não for possível mexer nas instalações existentes, é possível aproveitar a água da chuva para jardins, piscina, limpeza de calçadas, lavagem de carros, entre outros usos.
  • Indústrias, instalações comerciais, rurais e clubes: em áreas de grande porte, aproveitar a água da chuva é unir os benefícios ecológicos aos econômicos. A água pode ser usada para resfriar equipamentos e máquinas, em serviço de limpeza, para descarga de banheiros, no reservatório contra incêndio, irrigação de áreas verdes. Nos dias de chuva intensa, as cisternas podem funcionar como áreas de contenção, diminuindo ou até evitando alagamentos e sobrecarga da rede pluvial.

como construir uma cisterna

Normas e legislações

Norma ABNT NBR 15527 de 2007 sobre aproveitamento de água de chuva em áreas urbanas para fins não potáveis. (http://www.abnt.org.br/)

  • Resolução CNRH 54 (http://www.cnrh-srh.gov.br/delibera/resolucoes/R54–.pdf)
  • Portaria 518/2005 da Vigilância Sanitária que traz os VMP (Valores Máximos permitidos para diversos parâmetros) apenas para água de poço, e não água de chuva, sendo aconselhável analises de comparação de potabilidade para uso dessa água e para controle da empresa, em caso de fiscalização.
  • CETESB

Baseados nestas legislações e determinações entendemos que o destino final da água de chuva captada e não tratada não deve ser de potabilidade ou consumo (contato) humano.

Para esclarecimento: água de potabilidade ou água para consumo humano refere-se à água com a qual uma pessoa tenha qualquer tipo de contato físico, como lavar as mãos, escovar os dentes, regar plantas, lavagens de pisos, entre outros.

É Imprescindível salientar que a Echo Water tem por objetivo conscientizar a todos os usuários de água de poço, ou uso de água de chuva as condições ideais do seu uso , dando liberdade a cada cliente de decisão!